quinta-feira, 22 de novembro de 2012

Preparando um campeão.

Prezados leitores e amigos! Depois de um ´´tour´´ pelos psitacídeos e cativar o público feminino vamos falar de papo de homem que são os Torneios de Fibra. Em minhas idas e vindas pelos clubes cariocas e vendo algumas etapas do nosso estadual e o Nacional disputado aqui no RJ sempre vem alguém e me pergunta: Como um Trinca ou Coleiro pode superar os 200 cantos tão fácil!? Será que eles usam algum estimulante na água!? Então trazendo mais uma vez a verdade de uma forma descontraída estaremos hoje no nosso artigo abordando um tema muito polêmico que é o estímulo em aves de torneio.
A preparação de uma ave de torneio já começa no ano anterior fazendo com que essa ave faça a muda na época certa, fazendo com que esteja apta logo nas primeiras etapas o que garante uma enorme vantagem, pois depois tirar a diferença é meio difícil hein!? Essa preparação passa ainda pelos exames rotineiros (parasitológico de fezes) e até mesmo cultura e antibiograma e micoplasmose. Depois disso eu diria que você já pode ir começando a prepará-la para entrar no ritmo de torneio, ok.
Aí me vem a pergunta: Como esse coleiro canta tanto?! Há pássaros que são fenômenos e nasceram para isso. É o Pele das aves e Pele só teve um até agora. Mas o que vocês vêem hoje começou ano passado com uma pequena ajuda do veterinário especializado. A dinâmica de um Torneio é meio complexa e desgastante, então aí vem a nossa primeira preocupação. Alguém já viu atleta sério dormir tarde ou sair em noitadas!? É dedicação exclusiva pensando 24 horas na competição. Assim deve ser com nossas aves. Dormir cedo e em silêncio é fundamental. Dieta equilibrada e poleiros adequados também.
Outro fator interessante é que algumas aves quase não comem no dia do torneio e conseqüentemente o tempo perdido em que estariam comendo estão cantando, aumentando assim sua média final. Tem aves que realmente são muito guerreiras e disputam o tempo todo e quase não comem, mas tem aves que precisam de uma ajudinha para isso. A genética influencia com certeza; umas visitinhas no mato para badernar com ave solta também, mas a ciência explica o resto.
Mas já vi colocarem de tudo na água pensando neste propósito. Já vi usarem uma marca famosa de repositor hidroeletrolico com esse objetivo; só esqueceram de mencionar que ave não sua, ok. Já vi colocarem inúmeros suquinhos no bebedouro. Mas o que surte o efeito tão sonhado e esperado é aumentar a glicose de sua ave naquele momento. Só sentimos fome porque os níveis de glicose no sangue caem e o nosso cérebro avisa que é hora de comer! Então a única forma de fazer com que sua ave não sinta tanta fome é aumentando o nível de glicose circulante naquele momento.. simples né?!
Pensando nesse intuito os açúcares de cadeia curta e fácil digestão seria os mais indicados como os usados para Beija Flor. Mas cuidado, não é toda ave que gosta da água com o produto; por isso façam um teste antes, ok. Essa meus amigos é o único ´´dopping´´ que vocês vão ver ou realizar em uma roda de pássaros, aumentando em média 10% o número de cantos o que pode te render algumas colocações e até mesmo beliscar um Troféu, ok. Não caiam no papo de passarinheiro quando dizem que colocam testosterona na água; injeção de ADE no peito e por aí vai as besteiras propagadas e faladas .. tudo baboseira!
Estou me mudando para uma sede nova, maior, melhor e 24horas. Vem novidade boa por aí. Aguardem. Na próxima edição eu volto com mais um tema polêmico. Deixo o pensamento do dia: ´´ “Se respeitar às aves como elas são, você poderá ser mais eficaz ajudando-as a se aperfeiçoarem. Pense nisso e até a próxima!
___________________________________________________
Dr. Felipe Victório de Castro Bath
Médico Veterinário CRMV-RJ 8772
Especialista em Biologia, Manejo e Medicina da Conservação dos Animais Selvagens
Mestre em Microbiologia Veterinária pela UFRRJ

Tel.: (21)81014122/ (21)78795270
ID.:10*96860 / (21)22786652
felipebath@hotmail.com / www.niaas.com.br

História do curió Ana Dias.

O Curió Ana Dias ficou conhecido por esse nome por ter sido capturado no Distrito de Ana Dias, Município de Itariri no Litoral de São Paulo em 1955/56, era pardo no ano de 1956/57, constatando-se também que foi negaça (caçador) e grande repetidor no seu canto original.




O Curió Ana Dias chamou a atenção por dois motivos, em primeiro lugar por ser um grande repetidor dotado de belíssima voz, em segundo lugar pela facilidade com que aprendia novas notas com outros Curiós e as incorporava ao seu canto.



Adquirido pelo Sr. Luiz Pintor foi levado para São Vicente (já preto), passando por diversos proprietários, os mesmos procuraram aprimorar as notas do canto "Praia Grande" o que só veio acontecer por volta de 1960, pois na época já cantava o estilo "Pedro Taques", isto é, com as notas "QUIM-QUIM" e "Batidas de Praia".


A nota Samaritá "UIL-UIL" (característica herdada dos Curiós da Região vizinha à Estação Ferroviária de Samaritá) e a invertida de canto foram assimiladas de um Curió chamado Jurubatuba (capturado próximo a cachoeira do Rio Jurubatuba).


Em propriedade do Sr. João Massarella na Cidade de São Vicente, Walter Moretti ficou conhecendo o Ana Dias, e ao ouvir o seu extraordinário canto rico em Melodia e Voz, teve o pressentimento de que estava diante de um futuro Campeão e acabou o adquirindo em Janeiro de 1964.




O disco gravado com o canto do Ana Dias teve a finalidade de difundir o canto "Praia Grande", na modalidade "Clássico" servindo para aprendizado e aperfeiçoamento de alunos, foi também por esse motivo uma homenagem a todos os seus ex-proprietários que sempre souberam zelar pela sua preservação e pelo seu maravilhoso canto.


Foram portanto seus proprietários até 1964: Luiz Pintor, Lucas (Chocolate), Zé Galinheiro, Germano, André, Joel, Nestrói e João Massarella.


De 1964 em diante: Walter Moretti, Sebastião Ramos, Antonio Scarabeleni, Dr. Licínio Hilmar de Oliveira Arantes e Carlos Checoli.


Em 26 de outubro de 1984, apesar de sua idade, novamente Ana Dias passa para a propriedade de Walter Moretti, nos intervalos entre os últimos proprietários, o Curió Ana Dias passou por diversas vezes pelas mãos de Walter Moretti, o que comprova que não resistia a saudade e a grande estima dedicada a esse pássaro.


O curió Ana Dias recebeu o anel nº 1.534/IBDF/77, na sua voz característica de "Praia Grande", cujo som melodioso nos lembra os acordes de um violino, no seu perfeito canto classifica-se na modalidade de "Clássico".


NOTAS DE CANTO DO CURIÓ ANA DIAS:

TI TU Í - três notas de entrada de canto
TÉ TÉ - duas notas de ligação
QUIM QUIM TÓI - duas notas de QUIM-QUIM seguidas da nota TÓI
TÉ TÉ - duas notas de ligação
TUÉ TUÉ - duas ou mais notas de batida de praia
QUIM QUIM - duas notas de QUIM-QUIM
TÉ TÉ - duas notas de ligação
UIL UIL - duas notas de Samaritá
TÉ TÉ - duas notas de ligação
QUIM QUIM TÓI - duas notas de QUIM-QUIM seguidas da nota TÓI
TÉ TÉ - duas notas de ligação
TUÉ TUÉ - duas ou mais notas de batida de praia


O fechamento do canto poderá ser com as notas de batida de praia ou acrescida com PURRU.


O inigualável Curió Ana Dias que emocionou aos amantes do Canto Praia Grande na Categoria "Clássico", morreu em 22 de abril de 1987, aos 32 anos de idade em propriedade do Sr. Walter Moretti na cidade de Jundiaí.


FONTE PRIMÁRIA: Disco de Vinil - Homenagem aos 30 anos de um Mestre Canto Praia Grande Super Clássico / Jundiaí, março de 1985

REGISTRO DA MARCA NO INPI Nº 811956601
SPHAN-FUNDAÇÃO NACIONAL PRÓ-MEMÓRIA
BIBLIOTECA NACIONAL - MINISTERIO DA CULTURA
REGISTRO Nº 36.467


FONTE SECUNDÁRIA: Profº José Sérgio; João Paulo Buciani Franco e Eurídio Faxina diretamente do grupo ornitológico virtual criacaoavancada@grupos.com.br

Vídeo: O curió é um pássaro territorialista.

video